Agrihub

A CASA DA FAMILIA RURAL

Endereço

Rua Eng. Edgard Prado Arze, S/N. Centro Politico Administrativo. Edifício FAMATO (Térreo). Cuiabá-MT | CEP 78.049.908

Contato

(65) 3600 0733

O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é essencial para a sustentabilidade da produção, mas essa não é sua única aplicação. No Brasil, as ameaças fitossanitárias são frequentes nas lavouras, e se faz necessário combatê-las para evitar grandes prejuízos. Nesse contexto, o emprego do MIP tem rendido bons resultados.

Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), o MIP foi desenvolvido em resposta ao uso crescente de pesticidas. Tal uso acarretou consequências danosas à produção e ao setor como um todo. Por exemplo:

  • Crises de controle de pragas – surtos de pragas secundárias e ressurgimento de pragas após o desenvolvimento de resistência a pesticidas.
  • Custos do uso intensivo de defensivos agrícolas – tanto para a saúde humana, meio ambiente e custos de produção.

Nesse sentido, o MIP é relevante em todas as áreas onde possam existir ameaças fitossanitárias, incluindo a agricultura e pecuária.

Mas, afinal, o que é o Manejo Integrado de Pragas?

O MIP pode ser entendido como um processo dinâmico que faz uso de uma abordagem de sistemas ecológicos, incentiva o produtor a empregar as melhores opções de controle de pragas, dados os efeitos econômicos, ambientais e sociais. Quando bem empregado, o MIP diminui consideravelmente o uso de defensivos químicos. Desse modo, contribui para uma produção agrícola cada vez mais aliada à sustentabilidade.

Continue a leitura para entender um pouco mais sobre o Manejo Integrado de Pragas e sobre as ameaças fitossanitárias! Confira!

Como funciona o Manejo Integrado de Pragas?

O MIP não deve ser confundido com práticas orgânicas e não desencoraja a pulverização de produtos químicos. Sua função é promover a pulverização com pesticidas seletivos e apenas quando a cultura precisa.

Isso geralmente significa que uma quantidade menor de pesticida é usada. Pode-se dizer, portanto, que as práticas de MIP incluem planejamento antecipado, monitoramento regular e tomada de decisão oportuna.

Cabe ainda destacar que o MIP não é um método único de controle de ameaças fitossanitárias. Trata-se de uma série de avaliações e de decisões sobre manejo de pragas. Ao praticar o MIP, os produtores, cientes do potencial de infestação de pragas, seguem uma abordagem em níveis, que inclui:

  • Limites de ação: antes de realizar qualquer ação de controle de pragas, o MIP primeiro define um limite. Isto é: um ponto no qual as populações de pragas ou as condições ambientais indicam que uma ação de controle deve ser efetivada. O nível em que as ameaças fitossanitárias se tornarão prejudiciais é fundamental para orientar decisões quanto a esse controle.
  • Monitorar e identificar pragas: os programas de MIP trabalham para monitorar as pragas e identificá-las com precisão. Assim, as decisões de controle apropriadas podem ser feitas em conjunto com os limites de ação. O monitoramento e a identificação eliminam a possibilidade de que pesticidas sejam usados ​​quando não são necessários na lavoura. Promove-se então uma economia para os produtores, visto que os custos com pesticidas são altíssimos.
  • Prevenção: os programas de MIP trabalham para gerenciar a plantação, para evitar que as pragas se tornem ameaças fitossanitárias. 
  • Controle: como vimos, os limites de monitoramento, identificação e ação indicam quando o controle de pragas é necessário – ou seja, quando os métodos preventivos não são mais eficazes ou disponíveis. Assim, os programas de MIP avaliam o método mais adequado tanto para eficácia quanto para risco. Portanto, métodos adicionais de controle de pragas podem ser empregados, como a pulverização direcionada de defensivos.

O conjunto de técnicas do MIP favorece o equilíbrio natural do meio ambiente. Com isso, melhora a resistência biótica e evita que novas pragas se estabeleçam. 

Quais tecnologias podem ser usadas com o MIP?

As tecnologias oferecem assistência em várias etapas do procedimento operacional – por exemplo, detecção, tomada de decisão, execução e avaliação. Algumas das tecnologias já utilizadas são as seguintes:

  • Tecnologia de visão computacional (análise de imagem): realiza a detecção específica de doenças, pragas, ervas daninhas e condições de cultivo, além do monitoramento ao longo do tempo.
  • Técnicas moleculares para a detecção de doenças e pragas.
  • Técnicas de aplicação precisas de medidas preventivas e curativas contra doenças, pragas e ervas daninhas.
  • Tecnologia de satélite que produz imagens precisas de plantações.
  • Drones que fazem observações de safras com câmeras.

Outro ponto importante é que muitas dessas tecnologias podem ser frequentemente combinadas.

Saiba mais! 

Nosso artigo inspirou você a fazer algumas mudanças em sua propriedade no que se refere às ameaças fitossanitárias? Conhece mais alguém que se beneficiaria com essas informações? Compartilhe o post, continue acompanhando nosso blog e fique por dentro de outras novidades no setor agropecuário brasileiro!