O que é AgriTech? Entenda como funciona esse modelo de startup

O agronegócio é um dos pilares da economia brasileira. Em 2020 o setor foi responsável pela participação de 26,6% do PIB do país, e foi inclusive um dos únicos setores que cresceu durante a pandemia. Seguindo esse fluxo, as startups dedicadas ao setor entraram de vez no cenário agrícola. O objetivo delas é melhorar os processos e otimizar o trabalho no campo. Assim, um termo que está sendo utilizado para caracterizá-las é o AgriTech ou ainda Agtech.

A AgriTech é a nova geração de empresas que levam inovação ao campo. Existem alguns conceitos e práticas que definem do que se trata uma AgriTech, sendo importante entender para que serve e como o Brasil e o mundo vêm sendo beneficiados por ela.

Quer saber mais sobre o que é uma AgriTech e quais mudanças, impactos e qual o cenário no agronegócio brasileiro? Continue acompanhando a nossa publicação e descubra! 


O que é uma AgriTech?

Inicialmente, a agricultura era tida como uma atividade de subsistência. Com o passar do tempo e a necessidade de escalar a produção, novas tecnologias foram introduzidas no campo. A Revolução Agrícola foi caracterizada pela substituição de maquinário de tração animal por máquinas de combustão, técnicas de rotação de culturas, expansão agrícola e fornecimento de insumos. Organismos Geneticamente Modificados (OGMs), fungicidas, fertilizantes químicos e sementes mais adaptáveis caracterizaram a Revolução Verde, onde foi possível produzir mais, na mesma área. O contínuo crescimento populacional, continuou exigindo maior escala de produção. A Era Digital chegou até o campo com o intuito de atender essa demanda de forma sustentável. Drones, Inteligência Artificial (IA), robôs e automação são capazes de aumentar a produtividade, acelerar e integrar processos com o mínimo de desperdício de insumos. Todas essas mudanças no campo mostram que o mercado exige novos modelos de produção.

Assim, a tecnologia foi empregada na agropecuária para otimizar o tempo de trabalho e maximizar o lucro. Já imaginou um agricultor monitorando toda a fazenda, identificando possíveis problemas e até fazendo a irrigação de acordo com um cronograma de forma automatizada?

É dessa forma que nascem startups que visam atender diretamente os problemas do campo com ideias inovadoras, integrando o conhecimento das universidades à vivência do campo.


Mudanças e impactos causados pelo surgimento de AgriTechs

As AgriTechs promovem uma grande revolução no campo ao desenvolver soluções agrícolas e fornecer informações essenciais com um alto nível de precisão ao produtor, auxiliando na tomada de decisão com grande assertividade e confiança. Isso se dá pela utilização de tecnologia e de inovações que fazem sentido para o negócio do campo e, além disso, que trazem informações baseadas em estudos científicos.

Alguns pontos analisados são:

  • Cadeia produtiva da fazenda.
  • Fertilidade do solo.
  • Condições climáticas e previsão do tempo.
  • A aplicação e a modernização de dispositivos inteligentes – como sensores, VANT’s, drones e GPS.
  • Monitoramento da lavoura.
  • Telemetria de máquinas.
  • Gestão de operações agrícolas.
  • Condições de armazenagem de grãos.
  • Controle do estoque de animais. 
  • Condições fisiológicas dos animais.
  • Pesagem mais precisa dos animais.
  • Contagem automatizada de animais.


Tudo isso é aplicado não só visando redução de custos, mas também à otimização dos recursos utilizados. As AgriTechs podem se especializar em diversos cenários dentro da fazenda, criando soluções que fazem sentido para o problema abordado. 

Um dos maiores problemas para o avanço mais rápido e concreto da Agricultura 4.0 no Brasil é a baixa conectividade nas áreas rurais. Visando atender essa demanda do setor, AgriTechs focadas em levar internet para o campo já ganham força no país. Com o auxílio dessas startups, cada vez mais a conectividade e a integração dos processos chegarão ao campo subsidiando a entrada de outras AgriTechs a desenvolverem suas atividades, seja em grandes ou em pequenas propriedades.

Além dos esforços de AgriTechs, iniciativas para acabar com esta dor do campo também são encontradas por instituições como a ConectarAGRO. A associação reúne grandes empresas do agro e visa incentivar e promover solução tecnológica para a conectividade, que possa revolucionar a forma de produzir no campo, facilitando a integração e a gestão de toda a cadeia produtiva, e aumentando a qualidade e a competitividade dos produtores. Em 18 de março ocorreu o 1º MeetAgro Virtual, um evento que reuniu integrantes do AgriHub e da ConectarAGRO para discutir tecnologias e possibilidades para resolver o gargalo da falta de conectividade no campo.


Como está o cenário das AgriTechs no Brasil?

O Brasil é um dos maiores produtores agrícolas do mundo, principalmente devido às suas condições edafoclimáticas (tais como relevo, litologia, temperatura e umidade do ar, radiação solar e precipitação pluvial) favoráveis à produção de grãos, fibras e proteínas animais. Isso influencia diretamente no surgimento de AgriTechs e de soluções inovadoras que aplicam tecnologia ao campo, afinal, por que não empreender em um dos maiores mercados do Brasil?

O país ainda ocupa uma posição de destaque no número de centros de produção, sendo o Centro-Oeste brasileiro, em especial Mato Grosso, um dos maiores destaques mundiais. Esse fator, torna o país uma espécie de laboratório a céu aberto, exportando e adaptando diversas técnicas e soluções inovadoras para o campo. 

As startups brasileiras também se igualam a outras do mundo em termos de qualidade e disponibilidade de soluções. Existe até um “Vale do Silício” brasileiro para AgriTechs, situado em Piracicaba. Ele conta com 38% das startups agro do Brasil.


Qual o futuro do setor para o país e para o mundo?

De acordo com o entendimento do cenário dos elos da cadeia do agronegócio, tudo indica que o número de AgriTechs só tende a crescer. E isso é um ótimo sinal, demonstrando que o potencial de evolução também é grande. 

Outro ponto importante é a disponibilidade de tecnologias que podem ser aplicadas à agricultura. Assim, permite-se um investimento muito mais centrado em inovações que fazem sentido para o aumento de eficiência e de produtividade no campo:

  • Aplicações que disponibilizam e utilizam internet 4G.
  • Aplicações de IoT (Internet das Coisas).
  • Integração com uma comunicação sem fio.
  • Aplicações de Cloud Computing (Computação em nuvem).
  • Aplicações de Big data, analytics e outros.
  • Blockchain.
  • Máquinas agrícolas autônomas. 
  • Imageamento via Satélite. 
  • Análises avançadas
  • Algoritmos inteligentes
  • Inteligência artificial (IA)

Esses são ótimos exemplos e indicadores de tendências tecnológicas que virão no campo. O mercado está aquecido para essas empresas, e à medida que os entraves para o crescimento forem superados, tal como conectividade por exemplo, as AgriTechs poderão ser realidade na maioria das propriedades.


Saiba mais! 

As AgriTechs são elementos essenciais na transformação digital do campo. Elas permitem que a adoção de inovação e tecnologia impulsione a produção rural.
Continue acompanhando as publicações no nosso blog e fique por dentro de mais dicas e novidades sobre o setor agrícola!

3 thoughts on “O que é AgriTech? Entenda como funciona esse modelo de startup”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *