Agrihub

A CASA DA FAMILIA RURAL

Endereço

Rua Eng. Edgard Prado Arze, S/N. Centro Politico Administrativo. Edifício FAMATO (Térreo). Cuiabá-MT | CEP 78.049.908

Contato

(65) 3600 0733

Conectar todos os elos da cadeia produtiva e garantir informações confiáveis, seguras e em tempo real. Esse é o objetivo da AgTrace Rastreabilidade Agrícola que começou sua história em 2020. Luciano Tamiso, um dos sócios da Agtech, conta que um de seus parceiros, André Turkienicz, já trabalhava com tecnologias ligadas ao agronegócio e enxergava que o setor produtivo tinha uma dificuldade muito grande em estabelecer conexões da porteira para fora. 

Assim, surgiu a oportunidade de criar uma plataforma capaz de ter uma visão completa, com a ideia de rastrear o produto desde a sua origem no campo, visando garantir a qualidade final na cadeia. 

“Quando o André começou a estudar mais isso, na época, a gente se conheceu e eu já trabalhava com rastreabilidade e certificação de produtos agrícolas. Então, nós conhecemos o Alberto nesse meio tempo também. Hoje somos três sócios”, explica Luciano. 

Os sistemas começaram a ser desenvolvidos visando uma ferramenta de gestão que pudesse atender várias cadeias produtivas.

Rastreabilidade de ponta a ponta

A solução que a AgTrace oferece para seus clientes é a de conectar as informações da cadeia produtiva para monitorar padrões de qualidade e rentabilidade. Com isso, transparência e riscos ambientais e sociais são gerenciados de forma mais eficaz. 

Dessa maneira, eles já possuem alguns cases de sucesso no ramo. Recentemente, a Agtech venceu o edital de chamada pública lançado pelo Instituto CNA, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Sebrae para o desenvolvimento de uma plataforma digital de Indicações Geográficas (IGs) de café. 

Além disso, eles também possuem um projeto com a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa).

O fardo do algodão possui um código de barras para identificar de qual fazenda ele veio e se a propriedade é certificada com o selo Algodão Brasileiro Responsável (ABR). A dificuldade surgia quando ao levar essa informação para frente, alguns locais de fiação rasgavam os fardos e perdiam o código de rastreio. 

Dessa forma, a ABRAPA procurou a AgTrace para montar um sistema que conseguisse acompanhar o fardo de algodão para além da porteira.  A plataforma digital utiliza blockchain para verificar os dados de todas as etapas de produção, desde a fazenda passando pelas fiações, malharias e tecelagens, até chegar às confecções e à distribuição das peças pelas varejistas.

“Sai do começo da cadeia, acompanha todas as etapas até chegar na mão do consumidor final. Na mão dele, a gente tem o QR Code que mostra o caminho do produto, mas mais que isso é garantir a qualidade do produto final e agora isso já se expandiu para outros mercados”, afirma Luciano.

Parceria com o AgriHub

Com a nova reestruturação do AgriHub, Luciano explica que passou a fazer mais sentido para a AgTrace ser uma das residentes. 

“A partir do momento que alguns clientes estão querendo trabalhar com essa questão de cadeia e com a maturidade da nossa AgTech, as ações fornecidas pelo AgriHub se encaixam nas nossas necessidades”, explica Luciano. 

O maior diferencial da empresa é ser focada para o produtor, indústria ou para a empresa que usa o sistema. Ele é voltado para a gestão de cadeias, então várias empresas podem lançar informações no sistema e podem criar uma gerência sobre isso.

Vantagens de ser residente do AgriHub

Além de participar de uma enorme rede de agritech, os residentes ainda contam com um espaço de coworking para gerar futuras conexões. As startups do AgriHub conseguem ter contato direto com os produtores e empresas frequentadoras do Space, participação em todos os eventos do AgriHub, divulgação nos canais de comunicação do AgriHub, prioridade em eventos para realização de pitch e a melhor parte, cafézinho, wi-fi e happy hour. 

Torne-se residente do AgriHub. Entre em contato com a gente via e-mail parcerias@agrihub.org.br ou WhatsApp 65 4003-6733 e faça parte da nossa rede.

Por: Ana Moura