Agrihub

A CASA DA FAMILIA RURAL

Endereço

Rua Eng. Edgard Prado Arze, S/N. Centro Politico Administrativo. Edifício FAMATO (Térreo). Cuiabá-MT | CEP 78.049.908

Contato

(65) 3600 0733

Fazendas inteligentes e agricultura baseada em IoT estão se tornando cada vez mais populares em todo o mundo, não apenas entre grandes empresas, mas também entre os agricultores de áreas rurais. Essas fazendas inteligentes permitem um melhor abastecimento de alimentos, pois são mais produtivas e eficientes ao longo do processo. Entretanto, com a população crescendo cada vez mais, a escassez de alimentos se tornará mais comum na próxima década, portanto, é necessário que essas fazendas inteligentes cresçam ainda mais rapidamente.

No entanto, com o grande uso de tecnologia, há a preocupação com a segurança da infraestrutura. O aumento do número de ataques cibernéticos e o seu grau de gravidade são um grande problema para as fazendas inteligentes e a indústria agrícola baseada em IoT. 

Por isso, é importante tomar medidas para protegê-las e sustentá-las.

Por que a segurança cibernética é importante na indústria agrícola?

Existem uma série de ameaças à segurança enquanto se constrói sistemas agrícolas baseados em IoT, seja para uma grande empresa ou um agricultor de pequena escala rural. Alguns deles são os seguintes:

Hardware e equipamento: Primeiro, é necessário garantir que todo o seu hardware esteja instalado de forma segura. Os roubos destes equipamentos ou danos por diversas razões, incluindo desastres naturais, são uma ameaça bastante comum que muitos agricultores rurais enfrentam.

Vazamento de dados: Os criminosos cibernéticos podem facilmente violar o sistema, uma vez que eles estão conectados em redes e têm acesso aos seus dados. Esses dados também podem ser confidenciais, e um terceiro sabendo delas pode potencialmente afetar a integridade do seu sistema.

Na verdade, grandes empresas precisam armazenar muitos dados do processo de ponta a ponta. Com base em seu papel na cadeia inteira, eles podem ter informações sobre suas culturas, rendimentos, os vários fatores de monitoramento dos produtos, a cadeia de suprimentos completa, finanças, etc.

Um vazamento de dados nestas empresas revelará informações confidenciais e até mesmo interrompe temporariamente todo o trabalho, o que pode resultar em grandes perdas.

Modificação não autorizada de informações: Nas fazendas inteligentes, o abastecimento de água, o abastecimento de fertilizantes, a temperatura e a umidade, podem ser controlados com dispositivos IoT. Em cenários como este, qualquer pessoa pode invadir o sistema e modificar essas informações, o que pode levar ao dano das culturas.

Por exemplo, os hackers podem controlar maliciosamente o sistema e aumentar a quantidade de fertilizante para, digamos, 10 vezes o normal. Assim, sem o seu conhecimento, o seu solo receberá mais fertilizante do que deveria, o que pode danificar a qualidade do solo e, por sua vez, as próprias culturas.

Existem inúmeras outras ameaças, como acesso a contratos privados, exposição de números financeiros e assim por diante. Estas ameaças tornam evidente que a segurança cibernética é essencial no agronegócio.

Outro fator crítico a ser considerado é que o agronegócio é um negócio de just-in-time. Isso significa que qualquer produção ou rendimento precisa seguir para a próxima parte da cadeia de suprimentos a tempo; caso contrário, ficará estragado e levará à perda para todos os envolvidos, incluindo os clientes.


Portanto, se houver um ataque cibernético, não haverá tempo para que a indústria recupere o sistema e restaure a normalidade, o que se torna outro desafio. Por exemplo, em maio de 2020, a Danish Agro sofreu um ataque criminoso com ransomware (iniciado por phishing) em que o grupo hacker não apenas indisponibilizou o acesso à infraestrutura crítica da organização, como obteve cópias de informações sensíveis para aumentar as chances de ter sua demanda financeira atendida. São as chamadas “técnicas de dupla extorsão” que parecem ser uma tendência também neste setor da economia, acarretando em enormes perdas financeiras por lucros cessantes, danos à imagem, pagamentos de extorsão e multas aplicadas pelos órgãos e agências competentes.

Nesse sentido, embora a adoção da Internet das Coisas (IoT) e das tecnologias inteligentes abra as portas para a inovação e novas eficiências, também expõe o segmento a novas ameaças cibernéticas.

Medidas para melhorar a segurança cibernética dos sistemas agrícolas

Agora que sabemos quais tipos de ameaças pairam sobre a indústria, podemos entender quais passos podem nos ajudar a prevenir ou mitigar os riscos dessas ameaças.

  • Realizar auditorias completas de todos os equipamentos, da rede e, em especial, do sistema inteiro para entender onde estão as vulnerabilidades e as brechas do sistema.
  • Identificar “brechas” e instalar firewalls e outros softwares que ajudem a mitigar as ameaças de invasão ao sistema. Uma vez que você saiba, conserte essas brechas e instale firewalls e outros softwares para mitigar as ameaças.
  • Utilizar algoritmos baseados em IA para saber se, a qualquer momento, algo está errado no sistema completo. Por exemplo, se as culturas não estão recebendo o suficiente de luz solar, se um usuário malicioso está acessando o sistema, etc.
  • Armazenar em local e de forma segura dispositivos e equipamentos sejam armazenados de forma segura, de modo que seu roubo seja difícil e eles não sejam facilmente danificados.

Portanto, no geral, essas são as ameaças à indústria a céu aberto e algumas possíveis soluções para mitigá-las. No entanto, a segurança cibernética na área ainda precisa de muito trabalho, pois atualmente, não só a consciência é menor, mas os sistemas são fracos e facilmente penetráveis.

Porém, caso seja necessário compartilhar dados é importante ter em mente algumas medidas de proteção, como criptografia de dados, autenticação de usuário, controle de acesso e auditoria. É fundamental que os dados sejam protegidos de forma adequada para garantir que não sejam acessados ou modificados por usuários não autenticados. Além disso, é necessário que a solução possua um mecanismo de autenticação forte, como a verificação de dois fatores, para garantir a segurança dos dados compartilhados.

Compartilhar dados é fundamental para que as fintechs possam fornecer melhores linhas de crédito e benefícios para o produtor rural. O compartilhamento de dados entre essas instituições é essencial para que as fintechs possam acessar informações sobre os produtores rurais, como a capacidade de pagamento, o histórico de crédito, entre outras informações. E, de posse dessas informações, elas conseguem oferecer melhores linhas de crédito e benefícios para o produtor rural.

A Creditares, por exemplo, é uma empresa de tecnologia financeira que oferece soluções de crédito para produtores rurais. A Creditares utiliza a tecnologia de compartilhamento de dados para acessar e analisar dados financeiros dos produtores rurais, como a capacidade de pagamento e o histórico de crédito, para avaliar o nível de risco e oferecer as melhores soluções de crédito. Além disso, a Creditares oferece serviços de consultoria e suporte para que os produtores rurais possam obter o melhor resultado possível em seus empréstimos. Tudo isso de maneira segura para você e seus dados!

Saiba mais!

Você tem alguma dúvida sobre o assunto? Converse com a gente pelo WhatsApp. Lá você conhece o nosso trabalho, tira as suas dúvidas, envia sugestões e também recebe em primeira mão todas as novidades do universo agro.

Acesse também a nossa plataforma digital My AgriHub: um espaço interativo e de fácil acesso, para tornar sua rotina no campo muito mais eficaz e cada vez mais produtiva.